domingo, 23 de fevereiro de 2014

PRESENTE DE DOMINGO...

CLIENTE PREFERENCIAL

Herculano Alencar

Hoje, aos sessenta anos de idade,
já pago meia entrada no cinema,
escrevo meio verso de um poema,
à espera que alguém leia a metade.

Já posso andar de graça na cidade,
nos ônibus lotados, sem conforto...
já não preciso mais fingir de morto,
pois já sou quase morto de verdade.

Já posso furar fila, entrar na frente,
sob o olhar insano dessa gente
que espera a sua vez, impaciente...

Já posso, finalmente, ir ao banco,
trepar (sem dar vexame) nos tamancos
e rir da hipocrisia do gerente.


sábado, 22 de fevereiro de 2014

PORQUE HOJE É SÁBADO...

"EU NASCI EM PAÍS ERRADO!"

Alberto Villas

Fiquei sabendo que o nome completo dela é Noêmia Pereira Lins. Fiquei sabendo também que tem 74 anos e um filho chamado Júlio, tamanha a confusão que ela aprontou naquela manhã de segunda-feira numa agência bancária da Rua Clélia, na Lapa.
Dona Noêmia era a segunda da fila de prioritários e quando chegou a sua vez, entregou ao caixa um cheque de 200 reais, nominal. Assim que o caixa pediu a carteira de identidade dela, a confusão se formou. Ela tinha esquecido o documento em casa e disse que por nada nesse mundo iria voltar até a Rua Aurélia para buscar a carteirinha verde dela.

- Alguém aqui duvida que eu me chamo Noêmia Pereira Lins?

Para um motoboy que olhou meio enviesado, ela encarou.

- Eu tenho 74 anos de idade, meu filho!

Ela olhou um a um naquela fila enorme e ninguém teve a coragem de abrir a boca. Quem era eu para duvidar que aquela senhora nervosa não era a Dona Noêmia? O ambiente que já estava quente, sem ar condicionado, piorou ainda mais.

O caixa, sem saber muito o que fazer, apenas franzia a testa na certeza de que sem a carteira de identidade aquela senhora prioritária não descontaria o cheque nominal, assinado por seu filho Júlio, que ela fez questão de anunciar em alto e bom tom.

O cheque está assinado por Júlio, meu filho legítimo!

Depois de olhar novamente um a um na fila, perguntou:

- Eu tenho cara de querer roubar 200 reais desse banco?

Dona Noêmia ensaiou falar com a gerente mas, não sei por que cargas d’água se deu por vencida. Não sei se ela foi até a Rua Aurélia buscar o documento, mas sei que saiu furiosa repetindo três vezes a frase:

- Eu nasci em país errado!

Mas antes de sair, quase que trombou na porta giratória porque, nervosa, não percebeu que estava querendo sair por onde as pessoas entram.

Como ainda faltavam seis pessoas para eu ser atendido, fiquei ali na fila imaginando em que país poderia ter nascido a Dona Noêmia, já que ela disse ter nascido em país errado?

Na França, com seus crepes de Grand Marnier, seus croissants au beurre e suas madeleines?

No Japão, onde até os policiais fazem curso de arranjos florais?

Na Síria, das paredes perfuradas por balas perdidas e destruída pela guerra?

Na Noruega, com suas ruas geladas e suas casas de jazz onde se apresentam os músicos da ECM?

Na Costa do Marfim, com suas sopas apimentadas servidas no meio da rua na hora do almoço?

Na Turquia, com seus engraxates luxuosos lustrando sapatos em cada esquina?

Na Inglaterra de Jamie Oliver? No Quênia de Paul Tergat? Na Colômbia de Gabriel Garcia Márquez? Na Argentina de Messi?

Em que país poderia ter nascido Dona Noêmia? Na Alemanha de Günter Grass? Na República Checa de Václav Ravel? Na Polônia de Lech Walesa? Na Rússia de Vladimir Putin? Ou na República dos Camarões de Roger Milla?

Tenho certeza que Dona Noêmia saiu do banco, pegou a Rua Clélia e dobrou na Aurélia. Não sei se ela foi pensando por que não nasceu na Finlândia, na Holanda ou no Zâmbia. Se essa fila demorar muito, tenho certeza que daqui a pouquinho ela estará aqui de volta com o cheque e o documento na mão. Que figura, essa Dona Noêmia do Brasil.




domingo, 16 de fevereiro de 2014

PRESENTE DE DOMINGO...

SUBMERSO

Luiz Guimarães

Submerso no tempo
Com olhos vendados,
Mergulho em mim mesmo
Querendo saber...

Origem de tudo
De onde parti,
Já que me perdi
Na trilha da volta...

Aqui caminhei,
Vivi e sofri,
Sozinho não estou
No curso da vida...

Razão de viver,
Eu devo louvar
Sem tantos queixumes
No meu existir.



sábado, 15 de fevereiro de 2014

domingo, 9 de fevereiro de 2014

PRESENTE DE DOMINGO...


BALADA DOS MORTOS DOS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO

Vinicius de Moraes

Rio de Janeiro, 1954

Cadáveres de Nordhausen Erla, Belsen e Buchenwald!
Ocos, flácidos cadáveres
Como espantalhos, largados
Na sementeira espectral
Dos ermos campos estéreis
De Buchenwald e Dachau.
Cadáveres necrosados
Amontoados no chão
Esquálidos enlaçados
Em beijos estupefatos
Como ascetas siderados
Em presença da visão.
Cadáveres putrefatos
Os magros braços em cruz
Em vossas faces hediondas
Há sorrisos de giocondas
E em vossos corpos, a luz
Que da treva cria a aurora.
Cadáveres fluorescentes
Desenraizados do pó
Que emoção não dá-me o ver-vos
Em vosso êxtase sem nervos
Em vossa prece tão-só
Grandes, góticos cadáveres!
Ah, doces mortos atônitos
Quebrados a torniquete
Vossas louras manicuras
Arrancaram-vos as unhas
No requinte de tortura
Da última toalete...
A vós vos tiraram a casa
A vós vos tiraram o nome
Fostes marcados a brasa
Depois vos mataram de fome!
Vossa peles afrouxadas
Sobre os esqueletos dão-me
A impressão que éreis tambores —
Os instrumentos do Monstro —
Desfibrados a pancada:
Ó mortos de percussão!
Cadáveres de Nordhausen Erla, Belsen e Buchenwald!
Vós sois o húmus da terra
De onde a árvore do castigo
Dará madeira ao patíbulo
E de onde os frutos da paz
Tombarão no chão da guerra!



sábado, 8 de fevereiro de 2014

PORQUE HOJE É SÁBADO...

Eu e meu pai

PAI DE MEU PAI

Fabrício Carpinejar

Há uma quebra na história familiar onde as idades se acumulam e se sobrepõem e a ordem natural não tem sentido: é quando o filho se torna pai de seu pai.

É quando o pai envelhece e começa a trotear como se estivesse dentro de uma névoa. Lento, devagar, impreciso.

É quando aquele pai que segurava com força nossa mão já não tem como se levantar sozinho. É quando aquele pai, outrora firme e instransponível, enfraquece de vez e demora o dobro da respiração para sair de seu lugar.

É quando aquele pai, que antigamente mandava e ordenava, hoje só suspira, só geme, só procura onde é a porta e onde é a janela – tudo é corredor, tudo é longe.

É quando aquele pai, antes disposto e trabalhador, fracassa ao tirar sua própria roupa e não lembrará de seus remédios.

E nós, como filhos, não faremos outra coisa senão trocar de papel e aceitar que somos responsáveis por aquela vida. Aquela vida que nos gerou depende de nossa vida para morrer em paz.

Todo filho é pai da morte de seu pai.

Ou, quem sabe, a velhice do pai e da mãe seja curiosamente nossa última gravidez. Nosso último ensinamento. Fase para devolver os cuidados que nos foram confiados ao longo de décadas, de retribuir o amor com a amizade da escolta.

E assim como mudamos a casa para atender nossos bebês, tapando tomadas e colocando cercadinhos, vamos alterar a rotina dos móveis para criar os nossos pais.

Uma das primeiras transformações acontece no banheiro.

Seremos pais de nossos pais na hora de pôr uma barra no box do chuveiro.

A barra é emblemática. A barra é simbólica. A barra é inaugurar um cotovelo das águas.

Porque o chuveiro, simples e refrescante, agora é um temporal para os pés idosos de nossos protetores. Não podemos abandoná-los em nenhum momento, inventaremos nossos braços nas paredes.

A casa de quem cuida dos pais tem braços dos filhos pelas paredes. Nossos braços estarão espalhados, sob a forma de corrimões.

Pois envelhecer é andar de mãos dadas com os objetos, envelhecer é subir escada mesmo sem degraus.

Seremos estranhos em nossa residência. Observaremos cada detalhe com pavor e desconhecimento, com dúvida e preocupação. Seremos arquitetos, decoradores, engenheiros frustrados. Como não previmos que os pais adoecem e precisariam da gente?

Nos arrependeremos dos sofás, das estátuas e do acesso caracol, nos arrependeremos de cada obstáculo e tapete.

E feliz do filho que é pai de seu pai antes da morte, e triste do filho que aparece somente no enterro e não se despede um pouco por dia.

Meu amigo José Klein acompanhou o pai até seus derradeiros minutos.

No hospital, a enfermeira fazia a manobra da cama para a maca, buscando repor os lençóis, quando Zé gritou de sua cadeira:

– Deixa que eu ajudo.

Reuniu suas forças e pegou pela primeira vez seu pai no colo.

Colocou o rosto de seu pai contra seu peito.

Ajeitou em seus ombros o pai consumido pelo câncer: pequeno, enrugado, frágil, tremendo.

Ficou segurando um bom tempo, um tempo equivalente à sua infância, um tempo equivalente à sua adolescência, um bom tempo, um tempo interminável.

Embalou o pai de um lado para o outro.

Aninhou o pai.

Acalmou o pai.

E apenas dizia, sussurrado:

– Estou aqui, estou aqui, pai!

O que um pai quer apenas ouvir no fim de sua vida é que seu filho está ali.


========================================

Meu pai dizia: “já fui pai, agora sou filho”, quando, já velhinho, eu que cuidava de tudo para ele, eu que o proibia de fazer o que não era bom para sua saúde nem seu estado físico, eu que fazia tudo para ele...

Quando eu saía para resolver alguma coisa, ao chegar, ele dizia bem alegre e brincalhão: “chegou mãe!”

E no dia da sua morte fui a última pessoa a vê-lo com vida... Fui a última pessoa a lhe dar água e a brincar com ele, mesmo que não estivesse entendendo nada do que eu dizia...

Saudade imensa do meu pai...

Fátima Vieira

domingo, 2 de fevereiro de 2014

PRESENTE DE DOMINGO...


E fevereiro chegou...

CHORANDO E CANTANDO

Geraldo Azevedo

Quando Fevereiro chegar
Saudade já não mata a gente
A chama continua

No ar
O fogo vai deixar semente
A gente ri a gente chora
Ai, ai, ai, ai, a gente chora
Fazendo a noite parecer um dia

Faz mais
Depois faz acordar cantando
Pra fazer e acontecer
Verdades e mentiras

Faz crer
Faz desacreditar de tudo
E depois
Depois amor ô, ô, ô, ô

Ninguém, ninguém
Verá o que eu sonhei
Só você meu amor
Ninguém verá o sonho
Que eu sonhei

Um sorriso quando acordar
Pintado pelo sol nascente
Eu vou te procurar

Na luz
De cada olhar mais diferente
Tua chama me ilumina

Me faz
Virar um astro incandescente
O teu amor faz cometer loucuras

Faz mais
Depois faz acordar chorando
Pra fazer acontecer
Verdades e mentiras

Faz crer
Faz desacreditar de tudo
E depois
Depois amor ô, ô, ô, ô

=============================

Vejam o vídeo de Geraldo Azevedo cantando essa música: